Um sujeito engravatado entra na lojinha do Abdul, no Martim Moniz, em Lisboa, e olha com desprezo para o balcão escuro.

As roupas penduradas em ganchos, as caixas de papelão, os envólucros de plástico aos montes pelo chão…

Abdul irrita-se com o desprezo do tipo e resmunga:

– Está a olhar para a loja do Abdul com cara de parvo porquê? Com esta lojinha, Abdul tem apartamento no Cascais, tem apartamento no Algarve.

Tem também casa no Chiado, tem quinta no campo, tem filho a estudar medicina nos Estados Unidos, tem filha estudando moda em Paris. Tudo só com lojinha!

Também vais gostar destes:
Mãe preparava panquecas para os filhos – ANEDOTA
Numa escola em Angola, a professora dava a sua aula – ANEDOTA

– Bom dia, eu sou fiscal das Finanças!

– Muito prazer! Eu, Abdul, indiano mais mentiroso do Martim Moniz…

Loading...