Vê como está Renato Seabra 10 anos após assassinar Carlos Castro. Na altura com 21 anos, ele confessou o crime e foi julgado nos Estados Unidos da América. A defesa alegou perturbações psicológicas, mas a justiça condenou-a a uma pena de 25 anos. Passados 10 anos, a vida do ex-modelo transformou-se num verdadeiro pesadelo.

Está a cumprir a pena numa prisão de alta segurança em Dannemora até 2036 e depois poderá ou não, ter direito a liberdade condicional. A família acredita que ele regresse a Portugal, mas vai haver uma reavaliação da pena e ele poderá poderá ficar o resto da sua vida na prisão

Na prisão onde está Seabra, as temperaturas facilmente tingem os graus negativos no Inverno e os reclusos queixam-se que o frio faz doer os ossos, disse um familiar de um prisioneiro revelou à revista TV Mais.

Aquela é a prisão punitiva no verdadeiro sentido da palavra. Não lhes basta estarem presos e ainda sofrem horrores enquanto pagam pelos crimes que cometeram. É muito injusto”, disse.

Com a pandemia, a situação ficou ainda pior pelo facto dos reclusos estiveram grande parte do ano privados de receber visitas.  Contam-se pelos dedos das mãos o número de vezes que a prisão autorizou os presos a estarem com os seus. Nem no Dia de Ação de Graças, nem nada, revelou.

Sónia Antão, amiga de Carlos Castro, disse também à mesma revista que: “O Carlos Castro era como se fosse da minha família. Parece que não passaram dez anos, que foi anteontem. A dor é eterna e incalculável. Passe o tempo que passar… Tenho um dossiê com tudo o que se escreveu que, até hoje, nunca consegui ler. Só quis saber a verdade pela boca de duas das irmãs do Carlos Castro, a Alice e a Fernanda, de quem continuo amiga. Ele era um protetor, sempre foi. Até hoje faz-me muita falta”, disse