“Morrem os idosos porque iam morrer de qualquer maneira? Que raio de ética é esta?“, questionou Henrique Gouveia e Melo.

Ele esteve sempre do lado dos idosos defendendo que devem ser protegidos durante a pandemia da COVID-19.

Ele vai mais longe e diz mesmo: “Acho que houve períodos em que podíamos ter tido mais cuidado em conjunto. E tendo esse cuidado podíamos ter protegido e salvo, eventualmente, três, quatro, cinco, seis mil vidas“, afirmou.

“Muitas vezes, nós pensamos: o senhor é idoso, morreu com 80 anos. E há uma ideia subjacente a isto muito má, que é: uma hora de vida de um idoso é menos importante do que uma hora de vida de um jovem? Porquê? Com base em que ética?“, referiu.

“Todas as horas de vida são importantes. A pessoa deve ter dignidade enquanto vive. Deve ter direito à sua vida. Não podemos relativizar isto: morrem os idosos porque iam morrer de qualquer maneira. Que raio de ética ou de moral é a nossa se começarmos a pensar assim?“, apontou.