Existem porcarias que colocam na comida para que comas muito. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o jornalista americano Michael Moss, disse que os membros dessa indústria tentam lucrar o máximo possível e passam o tempo a tentar descobrir como deixar os seus produtos irresistíveis – literalmente viciando o público – mesmo que isso aconteça às custas da saúde pública.

Isso é conseguido, entre outras maneiras, colocando nos produtos doses generosas de certas substâncias que não são exatamente amigas da saúde.

 Falaremos neste texto de 4 venenos que colocam na comida para que comas muito:

Glutamato de sódio ou glutamato monossódico

O glutamato de sódio, também conhecido como glutamato monossódico, é um produto usado para realçar o sabor dos alimentos. É comum, por exemplo, em alimentos de restaurantes de fast food.

Essa substância engana o cérebro e faz com que ele queira mais dela e, por consequência, queira mais do produto que a contém. Trata-se de um sal do ácido glutâmico.

Sal comum que é só cloreto de sódio

O bom e velho cloreto de sódio é outro favorito das multidões. Por essa razão, ele é mais

Além de agradar às papilas gustativas e tornar os produtos irresistíveis, o sal serve para “dar liga” aos alimentos, unindo ingredientes que de outra forma não ficariam juntos, e aumentando a durabilidade dos produtos, o que facilita a sua comercialização, aumentando os lucros das empresas que os comercializam.

Dica: Usa sal do mar, o que humedece. Esse sal é rico em magnésio.

Gorduras são um veneno

Na verdade, um conjunto de substâncias. As gorduras também agradam ao paladar humano. As gorduras simplesmente não evocam no cérebro uma ordem de interrupção de consumo. Enquanto houver gorduras a serem consumidas, o cérebro se sente tentado a ordenar ao indivíduo que as consuma, o que, claro, é uma grande vantagem para a indústria de alimentos processados.

O açúcar é um dos piores venenos

O consumo excessivo de açúcar está ligado a problemas como obesidade e diabetes e até morte por envenenamento.

Em entrevista à Folha de São Paulo, Moss chamou sal, açúcar e gordura de trindade demoníaca que a indústria usa para viciar os consumidores em seus produtos e fazer com que comprem mais deles.

Infelizmente, as empresas do setor alimentício, de modo geral, não estão especialmente interessadas no bem-estar e na saúde dos consumidores de seus produtos.

Pelo contrário, elas enchem os seus produtos de substâncias que garantem mais vendas mesmo que para isso tenham que colaborar para a criação e aprofundamento de uma grave crise de saúde pública em que problemas como a obesidade (inclusive entre crianças) saem de controle.