A OMS apontou o fim da pandemia depois da variante Ómicron: “É plausível que a região esteja a caminhar para uma espécie de fim da pandemia”, disse Hans Kluge.

Já o Comité de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional rafirmou que a pandemia “continua a afetar negativamente a a saúde das populações em todo o mundo, representa um risco de disseminação internacional e interferência no tráfego internacional e requer uma resposta internacional coordenada”, alertando ainda para “o risco de declarações excessivamente otimistas sobre o estado da pandemia”.