Mónica Sintra está a ser muito apoiada após revelação polémica do juiz Joaquim Manuel Silva, acusado pela autora da petição a favor da legalização da prostituição em Portugal, Ana Loureiro.

É possível ler-se comentários como:

“Misericórdia! Não sabia da tua horrível história pessoal! Não é nada fácil gerir essas emoções todas com esse tipo de pessoas frias e insensíveis. Entendo cada palavra que escreves”;

“Eu fui discriminada por este senhor por ter um filho de cada pai, como se fosse um crime. E há poucos dias estive no tribunal de Mafra com este senhor e parecia que eu não estava lá, mas Deus é grande e não dorme”;

“Mónica, passei exatamente pelo mesmo no tribunal de Sintra há oito anos. Escrevi uma carta a este senhor a implorar que pelo menos fosse ao terreno conhecer a realidade antes de decidir pela vida dos meus filhos. Fez ouvidos moucos. Ignorou-me no alto da sua arrogância. Nem cinco anos depois os meus filhos voltavam para mim a tempo inteiro por não aguentarem mais o inferno em que viviam. Este senhor ajudou a instrumentalizar a vida de duas crianças à mercê de outro animal igual a si. E agora, coitadinho, diz que é alvo de uma cabala perpetrada por um conjunto de mães porque decide guardas partilhadas. Benditas mulheres que tiveram coragem de o denunciar”.

Mónica Sintra deu a conhecer como o juiz Joaquim Manuel Silva a terá tratado com discriminação por ser cantora e elogiou a denúncia e Ana Loureiro.