Jorge Guerreiro aproveitou o afastamento de Bruno de Carvalho e atirou: “Foi a gota de água…”.

Ele começou por dizer que: Sempre fui próximo do Bruno desde o princípio, nunca o neguei. E sim, a última semana e meia percebi que estavam a acontecer algumas coisas que eu próprio não estava a concordar, referiu.

E continuou: Eu para estar aqui tenho que estar ao pé de pessoas com boa energia e que me puxem para cima, e aquilo que estava a acontecer em relação ao Bruno é que eu sentia que ele estava já a achar isto tudo muito pesado, já estava completamente em modo bomba-relógio e eu, que sou uma pessoa de paz, obviamente que comecei a afastar um pouquinho e acho que isso até foi notório, disse.

Para ele: Quando assisti a uma situação na piscina foi realmente a gota de água em relação ao facto de eu não poder estar a apoiar ou estar tão próximo do Bruno nesse sentido, porque eu não concordei com aquilo que ele fez, mexeu muito comigo e achei que o Francisco não merecia aquilo que foi feito“.

Ele termina referindo que: O Bruno foi uma pessoa muito importante nesta minha estadia, não vou começar a falar mal, teve uma importância grande na minha estadia […] Realmente fui muito próximo do Bruno, foi uma pessoa muito importante e, nos últimos tempos, tive que olhar por mim e como é que eu tive de olhar por mim: afastar-me um bocadinho e não beber daquela energia“.