Fátima Lopes confessou que viu profissionais tratar mal outros. No podcast de Catarina Miranda, a apresentadora diz existir uma “fachada” por parte de muitos profissionais e que a máscara vai acabar por. cair.

Para ela, muitos colegas de trabalho não são o que mostram ser em frente às câmaras e disse mesmo que que “criam uma personagem de fachada”.

Fátima Lopes elogiou as qualidades humanas de Fernando Mendes referindo que isso lhe traz o sucesso porque “as pessoas estão a precisar de normalidade”, ao contrário de outros que “vestem o boneco, despem o boneco, vestem o boneco e despem o boneco” em televisão.

Quanto a si mesma revela que foi “sempre a mesma pessoa”, à frente e atrás das câmaras e que as máscaras vão acabar por cair: “Mas é que não tenho dúvida alguma. Não quer dizer que seja em frente às câmaras, mas caem inevitavelmente. Ninguém consegue fazer sempre teatro. Até o ator não consegue estar sempre a fazer teatro,. Há um dia em que tem de despir a personagem e ser ele próprio”,disse.

E continuou: “Se passas a vida a fazer de conta que és uma pessoa que não és, no dia em que bates de caras contigo própria, podes despistar-te verdadeiramente… E, quando eu digo despistares-te, é ficares ali à toa. Porque não te conheces, porque não sabes que, afinal, tu és esta…”, disse, alertando que tal “pode ser muito perigoso em termos emocionais”.

“Às vezes, as pessoas não se mostram porque acham que mostrar a sua verdade pode criar rejeição no outro. E se calhar, nalguns casos, criaria rejeição. Não faço ideia… Imagina uma pessoa que aparenta ser muito sensível, muito isto e muito aquilo e, depois, fora das câmaras, é extremamente bruta e agressiva e trata mal as pessoas. Se for mostrar isto em televisão, ninguém quer.”
Fátima Lopes diz que “as estrelas estão no céu”

“Não gosto de ver alguém sentir-se no direito de tratar mal outra pessoa, só porque é estrela. Suposta estrela, porque, para mim, as estrelas estão no céu. Que Deus, nosso Senhor, as acompanhe e que ilumine bem o caminho, porque vai ali uma escuridão…” Em conversa com Catarina Miranda, explicou a razão desta afirmação. “Digo isto de coração. Que alguém ajude esta pessoa a perceber quem é e o que está a fazer. Que alguém a ajude a perceber que agressividade gera agressividade. Que, ao tratar mal um ser humano, não colhe nada de bom. Vai deixar o outro com medo de trabalhar com ela, infeliz quando tem de trabalhar com ela… Quem é que ganha com isto? Alguém ganha? Ninguém!”, confessou a comunicadora.