Crianças que ajudam nas tarefas domésticas tornam-se adultos mais responsáveis. Se queres que os teus filhos se tornem adultos responsáveis, dá tarefas domésticas a eles.

O que mais vemos hoje em dia são homens e mulheres inseguros, apáticos e incapazes de se virar sozinhos.

Não sabemos por quanto tempo mais a sociedade se vai sustentar com esse modelo, mas uma coisa é certa: sem adultos responsáveis, não podemos esperar avanços.

Muitos pais hoje, na tentativa de evitar o confronto com os filhos, acabam por negligenciar a educação.

O resultado disso é uma geração de imperadores que não têm qualquer responsabilidade com o mundo à sua volta.

Se queres evitar que isso aconteça com as tuas crianças, o primeiro passo é atribuir tarefas. Não estamos a falar de exploração ou trabalho infantil.

Atividades simples como arrumar o quarto, lavar os pratos, dobrar as roupas, ensinam a valorizar o ambiente, respeitar as pessoas que dividem o espaço conosco e, além de tudo, melhoram a auto-estima.

Imagina só como cresce uma criança que não é cobrada, que apenas gasta, suja e bagunça tudo. Infelizmente, não é difícil imaginar que serão adultos problemáticos e de difícil convivência.

Dependendo da idade do teu filho, podes criar estratégias para que ele seja motivado a realizar as tarefas domésticas preestabelecidas. É crucial que os pais saibam que tipo de obrigação deve atribuir a cada filho, segundo a idade deles – a fim de evitar exageros.

Uma maneira divertida de ver tudo organizado, e que toda a família pode participar, é a promoção de desafios. Quem, por exemplo, organizar melhor o guarda-roupa ganha e, passada uma semana, quem tiver mantido tudo em ordem ganha.

Ganha o quê?

Bom, isso cabe aos pais decidirem. Não precisa ser um presente nem nada caro, o ideal é mesmo é que não seja.

Podes preparar uma sobremesa ou uma tarde diferente para que o vencedor se sinta premiado.

Há muitas maneiras de transformar as atividades domésticas em obrigações divertidas, basta usar a criatividade.

O importante mesmo é desenvolver no teu filho, à medida que ele cresce, a noção de responsabilidade.