André Ventura criticou a mensagem solidária de Costa a Marega: “País de hipocrisia em que tudo é racismo e tudo merece imediatamente uma chuva de lamentos e de análises histórico – megalómanas. O nosso problema não é o racismo. É a hipocrisia. É o síndrome Joacine que começa a invadir as mentalidades. Por mim não passarão”, disse depois do final do jogo.

Mais tarde esclareceu as suas palavras: “Deixar claro aquilo que quis dizer é um imperativo. Sei que o politicamente correto domina a mentalidade prevalecente e a grande comunicação pública. Nunca me deixei nem deixarei ficar refém disso. Se houve atitudes racistas para com Marega, ou se Marega provocou os adeptos do Vitória de Guimarães, ambas as condutas merecem ser punidas. O racismo é intolerável e tem de ser banido.

Outra coisa é começar a ver as declarações de responsáveis políticos, associativos e as redes sociais para se extrapolarem conclusões de que Portugal é um país terrivelmente racista, xenófobo e insuportável. CHEGA! Se pensam que vou voltar atrás nas minhas palavras, esqueçam! Não vou! Isso é para os avençados do sistema!, que dele dependem.

Merecemos mais do que este síndorme Joacine que invadiu o espaço de discussão pública. Temos e tivemos uma história exemplar de tolerância e integração. Vivemos bem com brancos, pretos, ciganos e todos os outros. Porque temos, sempre que há um episódio qualquer de indignidade, que entrar em autos-de-fé sobre a nossa história? Porque queremos tanto, quase de forma paranóica, atacar a nossa própria civilização e uma qualquer mentalidade obscura dos portugueses? Porque gostamos desta espécie de auto-punição a que chamamos o nosso racismo coletivo?

É tempo de acabar com esta choradeira permanente do racismo e condenar os atos bárbaros e animalescos que tiverem de ser condenados. Sem medos. Sem politicamente correto só porque fica bem. Assim seremos um país melhor. E já é hora que isso aconteça!

Ontem, André Ventura voltou à rede social para criticar a posição solidária de António Costa relativamente ao caso, classificando-a como uma “hipocrisia”.

“Era a esta hipocrisia que me referia. O Primeiro-Ministro solidariza-se imediatamente com o jogador de futebol, mas nunca o vimos fazer isto relativamente aos polícias, aos professores ou aos médicos agredidos, insultados e humilhados todos os dias”, escreveu André Ventura.

Recorde-se que António Costa escreveu uma mensagem no Twitter afirmando que: “Todos e quaisquer atos de racismo são crime e intoleráveis. Nenhum ser humano deve ser sujeito a esta humilhação. Ninguém pode ficar indiferente. Condeno todos e quaisquer atos de racismo, em quaisquer circunstâncias”, disse o primeiro-ministro no Twitter.