A amizade quando é verdadeira dura a vida inteira. Nós, seres humanos, diversos em sentimentos e emoções, em sabedoria e ignorância, muitas vezes entendemos a amizade como uma troca de favores apenas. Mas ela não está nem de longe vinculada e obrigada a isso!

A amizade verdadeira é um bem que nunca morre, ela dura a vida inteira e permanece viva nos nossos corações mesmo após a morte.

Ela motiva e envolve numa permanente vontade de fazer o bem ao outro, mesmo quando o nosso ego orgulhoso, nos inclina a vaidade de querer que façam por nós o mesmo!

A amizade verdadeira é a certeza de que devemos nos doar, aceitar, e entender, permanentemente! Ela nos faz querer encarar a vida de frente! Querer ser porto seguro!

Querer navegar por mares nunca antes navegados! E nos arriscar em marés que por vezes, aparentam ser assustadoras!

A amizade verdadeira faz-nos corajosos a ponto de, mesmo temendo situações imprevistas, sentir a certeza de que sempre será mais fácil suportar os revezes da vida, ao lado daquele que nos conforta!

Envoltos numa constante fragilidade emocional, muitas vezes, procuramos consciente ou inconscientemente, situações que nos colocam em relacionamentos, que simplesmente, espelham a nossa vulnerabilidade momentânea.

Essas relações são aquelas que nos trazem decepções constantes. Que são movidas por apegos infundados, por ciúmes e sentimentos, em sua maioria, devastadores. Essas conexões que atraímos nos afetam emocionalmente e causam reações imprevistas, que surtem efeitos contrários, e acabam por nos fragilizar ainda mais.

E por tanto, acabam por nos mostrar que não eram verdadeiras, que eram apenas ilusões de corações sedentos por amor e a coisa complica ainda mais quando desejamos e imaginamos um amor que ainda é desconhecido internamente por nós, e portanto, impossível de ser expressado em palavras ou em atitudes, por quem ainda permanece na periferia do sentimento verdadeiro.

Mas quando uma amizade verdadeira se estabelece, ela dura a vida inteira. A admiração que sentimos pelo outro, mesmo conhecendo as suas limitações e os seus defeitos, nos fortalece de tal maneira que desejamos ardentemente que a vida nos permita seguir juntos, passo a passo, ora ajudando, ora sendo ajudados.

Sem que tenhamos que cobrar ajuda alguma, nem que tenhamos que ser cobrados, muito menos que precisemos mendigar atenção e/ou forçar situações que nos faça sentir amados.

Ela é rara, principalmente nos dias actuais, onde as relações parecem mais efémeras. Essa sensação de impermanência que sentimos, é uma mera distracção, é apenas uma projecção do modo como estamos a encarar a vida.

Se um amigo querido se afasta, se não recebemos a reciprocidade que tanto almejamos, se por acaso, não obtemos satisfação na troca, nós mesmos nos isolamos e procuramos novas moradas para o nosso coração aflito.

Para que a amizade se torne verdade perene e companheira de jornada, temos que amar e nos colocar a disposição!

Sê o amigo que tu queres ter. É no desapego e no desprendimento que as amizades verdadeiras nascem e crescem fortes.