Álcool ajuda a falar melhor uma língua estrangeira, aponta um estudo realizado por pesquisadores britânicos e holandeses que descobriu que as pessoas realmente falam mais fluentemente uma língua estrangeira após uma dose baixa de álcool, mesmo quando não pensam que estão a conversar melhor.

De certa forma, isso faz sentido: uma cerveja ou um copo de vinho pode diminuir as inibições, por exemplo, o que pode tornar mais fácil para algumas pessoas superar o nervosismo ou a hesitação em falar uma língua não nativa.

Os pesquisadores realizaram uma experiência com 50 falantes nativos de alemão que estudavam na Universidade de Maastricht, na Holanda, perto da fronteira com a Alemanha.

Todos os participantes disseram que bebiam álcool pelo menos de vez em quando. Além disso, como as suas aulas eram ministradas em holandês, tinham passado recentemente num exame demonstrando proficiência no idioma.

Cada um foi convidado para uma conversa casual de dois minutos com um entrevistador em holandês. Antes dessa conversa, metade recebeu água para beber, enquanto a outra metade recebeu uma bebida alcoólica. A quantidade de bebida variou com base no peso da pessoa, mas para um homem de cerca de 70 quilos, era equivalente a pouco menos de meio litro de cerveja.

As conversas foram gravadas e depois avaliadas por dois falantes nativos de holandês, que não sabiam quais pessoas haviam consumido álcool. Os participantes também foram solicitados a avaliar suas próprias performances, com base em quão bem acharam que tinham falado a língua.

Inesperadamente, o álcool não teve efeito sobre a autoavaliação dos falantes. Em outras palavras, as pessoas que haviam ingerido álcool não estavam mais confiantes ou satisfeitas com as suas performances do que as que beberam água.

Mas tiveram realmente um desempenho melhor, de acordo com aqueles que ouviram as gravações.

Os pesquisadores destacam que a dose de álcool testada no estudo foi baixa, e que níveis mais altos de consumo podem não ter esses efeitos benéficos. Afinal, beber demais pode ter o exacto efeito oposto na fluência, podendo até levar a fala arrastada.

Um artigo com as descobertas foi publicado na revista científica Journal of Psychopharmacology. [Time]