Não sabes ficas a saber: em 90 euros de gasolina que pagas, 56 euros são impostos.

O partido CDS-PP decidiu fazer as contas e para tal decidiu lançar um site que permite ao utilizador inserir a quantia de combustível que desejar e ficar a saber qual o peso dos impostos aplicados ao valor selecionado.

A intervenção do deputado Pedro Mota Soares durante a discussão conjunta dos Projetos de Lei do CDS-PP, PS, PAN e PSD, veio demonstrar a realidade sobre os impostos que são aplicados aos combustíveis.

Quando enches o depósito, mais de metade do que pagas vai diretamente para os bolsos do Estado. Isto é um verdadeiro assalto ao bolso dos portugueses.

Relativamente ao gasóleo, o imposto aplicado é de 55%, enquanto que na gasolina esse valor sobe para os 62%. É absolutamente inacreditável que isto aconteça, quando a maioria dos portugueses utiliza o seu carro como transporte para o seu local de trabalho.

A título de exemplo, uma quantidade de um litro, neste caso de gasolina, no simulador criado pelo CDS-PP, ficamos a saber que dos 1,66 euros a pagar, cerca de 96 cêntimos são impostos.

“É muito importante que um português, sempre que vá a uma bomba de gasolina pôr 50 euros saiba que 31 são impostos, que em 30 euros de gasolina 19 são impostos ou em 20 de gasolina 12 são impostos”, explicou Pedro Mota Soares, esta quinta-feira à tarde, no Parlamento, enquanto apresentava o projeto.

O anúncio foi feito logo após um debate de duas horas, agendado pelo PSD, centrado em políticas fiscais e de preços para os combustíveis.

Durante a discussão, PSD e CDS culparam o Governo e os seus parceiros parlamentares pelo pesadelo do “saque” aos portugueses nos combustíveis, acusando o Executivo de falhar a palavra dada e recolher mais de mil milhões de euros em “austeridade encapotada”.

O PS justificou a atual situação de escalada nos preços ao consumidor da gasolina e do gasóleo com a subida de custo das matérias-primas.

Por sua vez, BE e PCP criticaram as margens de lucro das multinacionais petrolíferas e a falta de regulação dos mercados nacional e internacional.

O CDS já anunciou que quer aproveitar a posição da esquerda, uma vez que os bloquistas defenderam, durante o debate quinzenal, a descida dos impostos sobre os combustíveis, para mudar a história das suas iniciativas, já que a esquerda sempre barrou as propostas para acabar com o Imposto sobre os Produtos Petrolíferos.

Até quando teremos isto?